TOC: o que o causa e como tratá-lo

O transtorno obsessivo-compulsivo (TOC) atinge 1 a cada 50 brasileiros. Caracteriza-se por uma série de manias e obsessões que passam a fazer parte da rotina da pessoa.

No site da empresa Pfizer está uma lista de obsessões que estão entre as mais comuns:

  • limpeza e higiene;
  • simetria com os objetos;
  • autoimagem;
  • sexo;
  • acumulação.

A mesma empresa traz ainda exemplos de compulsões:

  • lavar as mãos várias vezes;
  • repetir rituais ao andar na rua, como evitar pisar em rachaduras;
  • checar muitas vezes se uma porta está trancada.

Segundo o site do Dr. Drauzio Varellla, não há consenso sobre as causas do TOC. Algumas possíveis são: comunicações entre zonas cerebrais, fatores psicológicos e histórico familiar.

O transtorno é, geralmente, detectado durante a fase adulta. Isso acontece porque o diagnóstico de certeza costuma sair nove anos após serem manifestados os primeiros sintomas. Porém, a pessoa pode ser acometida já aos três ou quatro anos de vida.

Existem tratamentos medicamentosos e não-medicamentosos contra o TOC. No primeiro caso, a única categoria de remédio eficaz são os antidepressivos inibidores da recaptação de serotonina. Já entre aqueles sem medicamentos, está a terapia cognitivo-comportamental, a qual consiste basicamente em expor a pessoa à situação que gera ansiedade.

Caso precise de ajuda, você pode contar com a UNIICA. Entre em contato pelo fone (41) 3271-5855.

TOC: o que o causa e como tratá-lo
Voltar ao topo