Síndrome do impostor: você sabe o que é?

No mês passado, a atriz Camila Queiroz disse a uma revista que teve um episódio de síndrome do impostor. Vamos ver o que é isso.

O termo surgiu em 1978, criado por duas psicólogas norte-americanas. De forma básica, é um sentimento de pessimismo sobre si mesmo. É quando uma pessoa tem medo de que outros pensem que ela é uma fraude intelectual, por mais talento que tenha. No caso de Camila, o pensamento foi de que ela não tinha preparo para ser musa de uma escola de samba.

Não há consenso sobre a origem da síndrome. Mas já existem pesquisas que dizem que ela vem da vida em família, do excesso de cobrança e/ou do alto nível de críticas recebidas.

Os principais sinais

Não pertinência: é comum que uma pessoa com a síndrome sinta que não merece estar onde está. Essa sensação de não pertencimento leva a pessoa a querer ficar longe de um grupo.

Procrastinação: por estar inseguro sobre as tarefas a se realizar, o indivíduo tende a adiá-las. Nesse caso, é necessário entender o motivo do adiamento, para saber se é mesmo um sinal da síndrome.

Autossabotagem: é quando a pessoa dá um jeito de fugir de uma experiência na qual não acredita que se sairá bem. Com isso, perde muitas boas chances e se sente arrependida de forma regular.

Autodepreciação: viver falando mal de si mesmo é outro sinal importante. Mais que isso, a síndrome pode levar a pessoa a gostar menos de suas próprias características e qualidades, ficando assim amargurada e tóxica consigo mesma.

Ingratidão: fica muito difícil aceitar elogios dos outros. A pessoa rejeita e contraria os comentários positivos. Assim, tem mais dificuldade em se sentir bem com o reconhecimento que recebe.

Autocrítica excessiva: é normal e aceitável que alguém pense no que fez e trace uma análise crítica. Porém, quem tem a síndrome do impostor acaba fazendo isso além da conta e da realidade. Como se não acreditasse que pode aprender com os erros e estivesse sempre castigando a si mesmo.

Comparação: é o sinal mais importante. É quando o indivíduo só vê qualidades nos outros, nenhuma em si mesmo. Daí vem uma busca sem fim por uma perfeição a que nunca se chegará. Fica comum que a pessoa compare a própria vida com a dos demais.

O que fazer?

Segundo a neuropsicóloga Keli Rodrigues, do Grupo Med Mais, há 4 dicas de diminuir os problemas que vêm com a síndrome:

  • verificar se é possível comprovar o pessimismo sobre si mesmo;
  • avaliar o próprio trabalho com um olhar técnico e de dentro para fora;
  • fazer uma pesquisa de satisfação com os clientes ou chefes;
  • pedir um feedback a alguém que tenha contato com seu trabalho.

Mas, a dica mais importante está na ajuda profissional. Procure seu psicólogo. Ele trabalhará a visão que você tem de si mesmo. E assim o ajudará a reconhecer suas capacidades e competências.

Conte com a UNIICA!

Fontes de referência: VivaBem, IPOG, Na Prática, Tua Saúde

Síndrome do impostor: você sabe o que é?
Rolar para o topo
Skip to content