Musicoterapia

A Musicoterapia une música, ciência e terapia num esforço primordial de prevenir e promover a saúde dos sujeitos. A saúde por sua vez, está intimamente ligada à qualidade de vida desse sujeito, e esta compreende as dimensões psíquica, física, espiritual e social do ser humano.  Sendo assim temos um sujeito que é biopsicosocioespiritual e como tal, ele é e se mostra na música. A Musicoterapia, através de suas diversas abordagens teóricas e suas técnicas, utiliza as vivências musicais e as relações que se desenvolvem através delas como forças dinâmicas de mudança (Bruscia, 2000). Na prática Musicoterapeutica a música passa a ser o meio primordial para a efetivação da prevenção, promoção ou reabilitação de saúde dos indivíduos. No contexto Musicoterapêutico, acredita-se que a música e seus elementos (melodia, ritmo, harmonia, timbres, intensidade, altura) podem se colocar como uma ponte capaz de ligar o indivíduo a suas emoções, seus sentimentos, e seu pensamento. Essa forma de comunicação também irá ressoar sobre a propriocepção da pessoa, ou seja, na forma como ela percebe seu corpo suas posturas e atitudes nas suas relações pessoais e interpessoais. A premissa se confirma nas proposições de Purdon (apud Shapira, 2007), que destacou as cinco funções constantes da música em Musicoterapia: música como ponte, como território seguro, como portadora e relatora da história do paciente, música como resposta às necessidades humanas e como base para o desenvolvimento da identidade.

Segundo Shapira (2007), há um consenso entre os estudiosos de que as pessoas constroem uma dimensão sonora chamada música interna. Essa sonoridade sentida e percebida pela audição interna seria como que um fundo emocional que ressoa por trás da estrutura dos pensamentos. Entende-se que a música interna está presente no núcleo da psique, portanto a musicalidade se constitui em um elemento inerente ao ser humano.

Por essa via, compreende-se que toda a produção sonora musical que se manifesta nas experiências musicais revela o sujeito, fala de como ele está no mundo, sua estruturação psíquica, até os limites de sua música interna. A Musicoterapia se faz presente em diversas áreas de atuação, como na Saúde, Social e Educação. Para o cliente da Musicoterapia basta que goste de música, sem que haja necessidade de ter formação ou estudo musical. Não há limite de idade, sendo possível o atendimento em todas as faixas etárias.

Mt. Thereza Christina
CPMT 270/08

Musicoterapia
Voltar ao topo