Home/Notícias / Pacientes e familiares contam com novo grupo terapêutico

Leia mais emNotícias

Pacientes e familiares contam com novo grupo terapêutico

21 de abril de 2016

Como objetivo de identificar e compreender os padrões disfuncionais na família e promover intervenções terapêuticas nos pacientes e seus familiares, a Clínica Uniica acaba de incluir na grade de atividades o Grupo Terapêutico de Famílias e Pacientes. Coordenado pelas psicólogas Carolina Batista e Elke Nemer, o grupo tem encontros semanais: toda quinta-feira, das 9h às 10h. Podem participar os pacientes internados na Unidade Intermediária de Crise e os familiares.

Esta nova atividade em grupo é um espaço para que os participantes recebam atenção para suas angústias e dúvidas, e que tenham escuta, acolhimento, reflexão e intervenção. O tema de cada encontro é livre, com o objetivo de melhorar o padrão comunicacional e relacional do paciente e da família. Esta atividade proporciona um espaço de troca entre os integrantes com a mediação e coordenação das duas psicólogas. “Também é um momento que tanto pacientes como familiares recebem informações fundamentais do manejo familiar no que diz respeito ao quadro de transtorno mental e dependência química, e consequentemente melhora no relacionamento familiar e no entendimento do tratamento”, explica Carolina.

Além deste grupo e dos atendimentos individuais aos pacientes, a Uniica oferece, num trabalho conjunto das áreas de Psicologia e Serviço Social, encontros para familiares de pacientes de transtornos mentais, toda quarta-feira às 9h45, com a coordenação da psicóloga Carolina; e encontros para os familiares de pacientes de dependentes químicos, às segundas, às 17h, com a psicóloga Elke. “Nestes grupos acolhemos os familiares, que muitas vezes trazem o sentimento de culpa em manter o paciente internado. Podemos orientar sobre o tratamento, desmistificando medos e tabus sobre a saúde mental, e também acolher as angústias, medos e dúvidas”, conta Elke. Foi a partir da experiência das duas profissionais na condução destes grupos que surgiu a ideia de criar um terceiro grupo terapêutico, unindo pacientes e familiares para que cada um expresse suas demandas e apresente seus pontos de vista.

Compartilhe